Cenário de guerra na Assembleia Legislativa do Ceará

Policiais do Batalhão de Choque fazem barreira para impedir entrada dos professores no plenário. Foto- TV Verdes Mares/Reprodução

O clima ficou tenso  na quinta-feira 29  na Assembleia Legislativa. Professores da rede estadual de ensino, em greve há 56 dias, tentaram impedir que os parlamentares votassem a mensagem enviada pelo Governo do Estado, na última quarta-feira, 28, que trata da tabela vencimental para os profissionais de nível médio.

          Para evitar a entrada dos manifestantes no Plenário 13 de Maio, policiais da Guarda Legislativa, com reforço de policiais do Batalhão de Choque, revidaram com rigor e teve início o conflito. Dois professores ficaram feridos e quatro foram detidos e liberados em seguida. Apesar da confusão e do apelo da categoria, a mensagem foi aprovada. Dos 40 deputados presentes na sessão, apenas quatro votaram contra.

 Confronto

             A mensagem já havia passado pelas Comissões Técnicas e estava pronta para ser votada, quando os professores, que desde a última quarta-feira estavam em vigília no Legislativo, três deles em greve de fome, tomaram conhecimento do fato. Indignados, tentaram impedir a votação e por pouco não conseguiram entrar no plenário.

             O momento mais tenso foi às 10h, quando policiais e professores entraram em confronto direto. O cenário era de uma guerra.

             De um lado estavam os policiais, que orientados pela presidência da Assembleia Legislativa criaram um bloqueio na entrada do Plenário, com objetivo de evitar a entrada dos manifestantes e proteger o patrimônio público. Do outro lado, professores grevistas que, a qualquer custo, queriam impedir a aprovação da mensagem.

              Enquanto o confronto acontecia, a sessão legislativa seguia normalmente. Cerca de uma hora depois, os ânimos se acalmaram e os professores acompanharam pelos televisores, no hall do prédio, o pronunciamento dos parlamentares.

               Bastou o presidente da Casa, Roberto Cláudio, anunciar que a mensagem seria votada, para manifestantes e policiais novamente entrarem em confronto. Mais policiais do Batalhão de Choque chegaram para reforçar a segurança e, dessa vez, utilizaram spray de pimenta, causando um mal-estar geral.

               Professores, policiais e profissionais da imprensa tossiam sem parar. O efeito do spray impedia que qualquer pessoa permanecesse naquele ambiente por muito tempo. Com isso, os manifestantes se dispersaram.

 Fonte: DN

Leave a Reply

setembro 2011
S T Q Q S S D
« ago   out »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930