Archive for 11 de maio de 2020

Ceará registra nove abalos sísmicos em 24 horas; maior magnitude de 1.6 graus

Em março de 2019, o Labsis/UFRN instalou uma rede sismográfica no Ceará.Foto- Divulgação/Labsis

O Ceará registrou nove abalos sísmicos em 24 horas – entre esse sábado, 9, e este domingo, 10. De acordo com dados do Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Labsis/UFRN), seis deles aconteceram no limite entre Palhano e Russas, com magnitude inferior a 1 grau na Escala de Richter.

Já as outras três foram em Beberibe e uma chegou a alcançar 1.6 grau de magnitude. Os abalos sísmicos com magnitude menor de 2 graus são sentidos apenas pelos sismógrafos, instrumentos que detectam e registram as vibrações da Terra, e portanto passam imperceptíveis pelos moradores.

A região limite entre Palhano e Russas já registrou 456 eventos de abalos sísmicos desde dia 3 de novembro de 2019 até este domingo de Dia das Mães, 10. O último dia mais agitado na região foi em dia 9 de janeiro deste ano, quando o Labsis registrou mais de 50 abalos no local.

Por CATALINA LEITE – O POVO online – 13:54 | 10/05/2020

Fazenda experimental da UFC torna-se Unidade de Conservação Ambiental

Fazenda Raposa,em Maracanaú,agora é Área de Relevante Interesse Ecológico.Foto-Divulgação/SEMA

A Fazenda Raposa, área ecológica administrada pelo Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal do Ceará, recebeu novo status de proteção e se tornou uma Unidade de Conservação Ambiental. Agora, a fazenda experimental, localizada no município de Maracanaú, é uma Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) e recebe nova atenção para sua preservação.

A classificação foi feita pela Secretaria do Meio Ambiente (SEMA), do Governo do Estado, após um processo iniciado em 2018, quando começaram os estudos técnicos feitos por professores do CCA, em parceria com a equipe da Célula de Conservação da Diversidade Biológica da SEMA. Com a publicação no Diário Oficial em abril deste ano, a fazenda passou a ser oficialmente uma ARIE.

São mais de 50 anos de história entre a Fazenda Raposa e a UFC: a área foi doada à Universidade em 1969, quando ainda era propriedade da Companhia Ceras Johnson (S. C. Johnson & Son), empresa de produção de ceras. Desde a doação, a reserva vem sendo cuidada pelo CCA.

RIQUEZA ECOLÓGICA –

O valor ambiental da fazenda é alto, por ser rica em ocorrência de palmeiras do gênero Copernicia, como a carnaubeira, além de outras espécies nativas da fauna e da flora da caatinga, bioma característico das regiões Norte e Nordeste. Ao todo, a Unidade de Conservação tem 136 hectares e perímetro de 5,63 quilômetros.

Algumas das outras ocorrências no local são as de espécies nativas como o marmeleiro, sabiá, mufumbo, jurema-preta, mororó e pau-branco, todas plantas típicas da caatinga.

“Estamos muito felizes com a transformação da Fazenda Raposa em Área de Relevante Interesse Ecológico. Dessa forma, contribuímos significativamente para a preservação ambiental da fauna e flora cearense e possibilitamos novas oportunidades para as atividades de ensino, pesquisa e extensão multidisciplinares em ciências do ambiente”, comemorou o reitor da UFC, Prof. Cândido Albuquerque.

LAZER E PESQUISA –

A Fazenda Raposa é uma das quatro fazendas experimentais gerenciadas pelo CCA da Universidade, todas localizadas em ambientes de riqueza ecológica. Além da Raposa, há as fazendas experimentais Vale do Curu (Pentecoste), Lavoura Seca (Quixadá) e Sítio São José (também em Maracanaú).

Segundo o Decreto nº 33.568 do Governo do Estado, que cria a ARIE, a intenção é, além de garantir a proteção de hábitat da fauna e da flora e dos corpos hídricos no local (lagoas Jupaba e Raposa), oferecer “à população um espaço natural, voltado a contemplação da natureza, lazer, educação ambiental e estímulo à pesquisa científica”.

Um acordo de cooperação técnica entre a SEMA e a UFC foi celebrado, com vigência até 2039, para orientar a gestão compartilhada da ARIE. Agora, haverá a criação de um conselho gestor, em até 180 dias, e a elaboração de um plano de manejo, no prazo de cinco anos.

Além dos estudos técnicos, foi feita uma consulta pública em 2019 para ouvir as partes interessadas no processo de criação da unidade, inclusive a população local.

Com informações da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA).

Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional da UFC – e-mail: ufcinforma@ufc.br

maio 2020
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031