Empresa de ônibus deve indenizar vítima de acidente

 A decisão foi proferida nessa quarta-feira (08/07). Foto - Divulgação


A decisão foi proferida nessa quarta-feira (08/07). Foto – Divulgação

A empresa de ônibus Expresso Guanabara S. A. deve pagar indenização de R$ 15 mil a mulher que teve seu braço esquerdo fraturado após acidente causado pelo motorista da empresa. A decisão, proferida nessa quarta-feira (08/07), é da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

De acordo com a relatora do processo, desembargadora Maria Iraneide Moura Silva, no momento em que alguém efetua a compra da passagem e ingressa no ônibus, celebra com a empresa um contrato de transporte, “no qual o transportador assume não somente a responsabilidade de transportar, mas também assume uma obrigação secundária na qual é incumbido de transportar o passageiro ao seu destino com segurança”.

De acordo com os autos, em dezembro de 2006, durante uma viagem, o motorista teria freado o veículo bruscamente quando a passageira pediu para que o veículo parasse em um local. Na ocasião, ela caiu e teve o braço esquerdo fraturado.

A vítima entrou com ação na Justiça, requerendo indenização por danos morais e materiais. Alegou que o motorista negou-se a socorrê-la, dizendo que ela “se virasse” e que saísse do veículo.

Na contestação, a empresa de ônibus sustentou culpa exclusiva da vítima, que permaneceu em pé dentro do coletivo sem ser permitido. Disse que o condutor parou o veículo para prestar socorro, mas ela teria dispensado o auxílio.

Em agosto de 2013, o juiz da Vara Única da Comarca de Groaíras, Hyldon Masters Cavalcante Costa, condenou a Expresso Guanabara a pagar R$ 42 mil a título de danos morais para a vítima. Segundo o magistrado, o pagamento indenizatório deve ser concedido como “forma de atenuar as dores que foram impregnadas pela ação lesiva e pelos percalços e transtornos que a vítima experimentou”.

Objetivando modificar a sentença e diminuir o valor do pagamento, a empresa de transporte coletivo interpôs apelação no TJCE.

Ao analisar o caso, a 2ª Câmara Cível modificou parcialmente a sentença de 1º Grau, corrigindo o valor da indenização.

Fonte: Site TJCE

 

Leave a Reply

outubro 2019
S T Q Q S S D
« set    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031