Archive for novembro 2021

Filme cearense ‘Pacarrete’ é consagrado no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro com oito troféus

Intérprete de Pacarrete, a atriz Marcélia Cartaxo também foi premiada no evento.Foto-Divulgação

O filme cearense “Pacarrete” segue fazendo história. Desta vez, na 20ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, cujo anúncio dos vencedores ocorreu na noite deste domingo (28). Toda a cerimônia aconteceu de modo virtual e contou com a entrega de 32 prêmios. Os vencedores receberão os troféus em casa.

Dirigida por Alan Deberton, a produção foi o grande destaque do evento, premiado nas categorias Melhor Longa-metragem Comédia, Melhor Atriz (Marcélia Cartaxo), Melhor Ator Coadjuvante (João Miguel), Melhor Filme pelo Voto Popular, Melhor Roteiro Original, Melhor Maquiagem, Melhor Direção de Arte e Melhor Trilha Sonora.

A coroação veio na esteira de tantos outros importantes reconhecimentos. Com estreia no ano passado, “Pacarrete” também foi o grande vencedor no 47º Festival de Gramado e, na programação do 29º Cine Ceará, figurava entre os preferidos do público, sempre com exibições lotadas e retorno acalorado.

Estrelada por Marcélia Cartaxo (“A Hora da Estrela”), a obra é baseada em fatos reais e investe na história de uma icônica moradora do município de Russas, localizado a 165 km de Fortaleza. Ela tinha o sonho de ser bailarina profissional, abrir uma escola de dança no Interior e promover as artes na cidade natal. 

O elenco principal ainda conta com as atrizes Zezita Matos (“Onde Nascem os Fortes”) e Soia Lira (“Central do Brasil”, “Abril Despedaçado”), o ator baiano João Miguel (“3%”, “Estomâgo”), os cearenses Débora Ingrid (A História da Eternidade), Samya de Lavor (“Inferninho”, “O último Trago”), Edneia Tutti (“Os Olhos de Arthur”) e Rodger Rogério (“Bacurau”), além da participação de atores e atrizes oriundos de Russas.

Ultrapassando Gramado e o Cine Ceará, “Pacarrete” participou, entre outras mostras, do Florianópolis Audiovisual Mercosul – FAM 2019 (eleito Melhor Longa Mercosul, na escolha do Júri Oficial e Popular), Los Angeles Brazilian Film Festival – LABRIFF  (Ganhador de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro, Melhor Atriz, Melhor Montagem), 36º Festival Internacional de Cinema de Bogotá (Melhor Filme), 22th Shanghai International Film Festival e 43º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Outros destaques

Também foram laureados na mais recente edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro o filme “A Febre”, de Maya Da-Rin, eleito o Melhor Longa-Metragem Ficção; o cineasta Jeferson De, com o prêmio de Melhor Direção por “M8 – Quando A Morte Socorre A Vida”; e “Babenco: Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou”, de Bárbara Paz, escolhido como o Melhor Longa-Metragem Documentário.

No segmento TV, a temporada especial de “Sob Pressão – Plantão Covid” foi uma das premiadas e levou a categoria de Melhor Série Ficção TV Aberta. 

Diário do Nordeste VERSO – Escrito por Redação, 10:19 / 29 de Novembro de 2021

Cine Ceará abre 31ª edição com estreia de filme cearense

Cine São Luiz
Abertura teve a première mundial do filme “Fortaleza Hotel”, do diretor Armando Praça Foto: Isaac Macêdo

Retornando com mais força às salas de cinema, o Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema abriu, na noite deste sábado (27), a programação da sua 31ª edição. A solenidade, realizada no Cineteatro São Luiz, no Centro de Fortaleza, foi marcada por homenagens à atriz Marta Aurélia e ao cineasta Halder Gomes, além da première mundial do filme “Fortaleza Hotel”, do diretor Armando Praça.

Ao longo de sete dias, até 3 de dezembro, o evento exibirá mais de 40 filmes, entre longas e curtas-metragens. Em 2021, o Cine Ceará acontece em formato híbrido, com atividades diárias na capital cearense – além do São Luiz, o público também poderá assistir a filmes no Cinema do Dragão – e transmissões no Canal Brasil, Canais Globo, Globoplay + Canais ao Vivo, no YouTube do festival e na TV Ceará.

À frente da organização do evento, o cineasta Wolney Oliveira destacou que, apesar dos desafios de materializar o Cine Ceará deste ano, a pandemia de Covid-19 também fez grandes festivais “descobrirem a ventana virtual”. Ele ressaltou ainda que, dentre os seis longas que serão exibidos no Cineteatro São Luiz, inéditos no Brasil, dois são do Ceará. A efervescência da produção local, segundo o realizador, também se estende a outras partes da programação.

“Nós vamos ter 12 curtas-metragens brasileiros, de quase 900 que se inscreveram, então é o melhor do melhor. E vamos ter 20 filmes na Mostra Olhar do Ceará, dos quais 17 curtas e três longas. No total, foram quase 100 filmes do Ceará que se inscreveram”, enumerou. “O Ceará está num tripé ‘formação, produção e difusão’, e a vitrine maior é o Cine Ceará, que é hoje, não digo só por mim, mas pela mídia nacional, um dos principais festivais de cinema do Brasil”. Wolney Oliveira Organizador do Cine Ceará

Presente na abertura do festival, o secretário da Cultura do Ceará, Fabiano Piúba, demarcou que o evento traz também “uma ideia de renascimento, de florescimento a partir da arte e da cultura num contexto de pandemia”.

“O Cine Ceará faz parte da nossa história. É um festival que tem uma história com o Ceará, com Fortaleza, mas que também promove a cena do cinema brasileiro, do cinema ibero-americano, latino-americano. É muito bom a gente estar aqui de novo, no Cineteatro São Luiz, que é a casa do Cine Ceará, com esse palco aberto para a gente ter um festival muito importante”, afirmou.

Homenageados

Agraciados com o Troféu Eusélio Oliveira, Marta Aurélia e Halder Gomes externaram a emoção com as homenagens.

“Minha carreira se funde com o festival. Acompanho o festival há muito tempo e tive grandes encontros, fiz grandes amigos aqui, e esse reencontro se tornando possível novamente é muito gratificante”, confessou o diretor. “O Ceará, para mim, é uma inspiração e uma missão, uma política minha, de lutar para trazer projetos para cá, de fomentar nossa economia, de exportar nossa cultura, nossas belezas, e tenho feito isso com muita frequência”, acrescentou.

Marta Aurélia também lembrou que vários momentos de sua carreira se cruzam com a história do Cine Ceará. 

“Para mim, é uma homenagem surpreendente, eu não esperava mesmo, mas ao mesmo tempo me deixou muito emocionada. Me fez refletir sobre essa trajetória e sobre um aspecto que considero muito importante: a gente não anda só. Eu não ando só. Para que eu esteja aqui hoje sendo homenageada, a quantidade de gente que trabalhou para isso acontecer. Sou muito grata”, disse a atriz.

Filme da abertura

Cearense assim como os dois homenageados da 31ª edição do evento, o diretor Armando Praça afirmou que a noite teve “muitos significados”. “Essa é a primeira vez que volto ao cinema desde que estamos nessa pandemia. Estrear o filme em Fortaleza também tem um significado enorme, porque o filme se chama ‘Fortaleza Hotel’, foi feito na cidade de Fortaleza com uma equipe praticamente toda cearense, então tem significados muito importantes”.

Emoção também foi palavra presente na fala da atriz Clébia Souza, que faz parte do elenco de “Fortaleza Hotel”. “Estou muito emocionada. Teve essa parada de dois anos, tanto dos trabalhos, que estavam parados, como desse contato físico, de sentir essa resposta do público na hora. Estou muito feliz”.

Programação

Durante o Cine Ceará, os ingressos para a programação no Cineteatro São Luiz estarão disponíveis no site da Bilheteria Virtual. Já no Cinema do Dragão, os ingressos serão distribuídos na bilheteria do cinema uma hora antes de cada exibição.

Em ambos os equipamentos da Secretaria da Cultura do Ceará, o público deverá apresentar o passaporte da vacinação. Os ingressos são gratuitos.

Neste domingo (28), na Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem, o filme exibido será a coprodução Uruguai-Itália “Bosco”,de Alicia Cano Menoni, que fará a estreia nacional no Cine Ceará. O documentário foi exibido no IDFA de Amsterdã, no Cannes Docs – Marché du Film, no Festival de Málaga, e no Festival de Cinema de Trento, na Itália. 

Ainda no domingo, na Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem, serão exibidos os documentários“O Durião Proibido”, de Txai Ferraz, e “Foi um tempo de poesia”, de Petrus Cariry, além da ficção “Ausências”,de Antônio Fargoni.

No mesmo dia, de acordo com a organização do evento, terão início os debates com os realizadores dos filmes das mostras competitivas de longas e curtas-metragens, sempre a partir das 9h30, no Hotel Plaza Praia Suítes, em Fortaleza. As coletivas poderão ser acompanhadas pela equipe das produções e pelos credenciados no festival.

SERVIÇO

31° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema
Quando: 27 de novembro a 03 de dezembro.
Onde:  Exibição em Fortaleza, no Cineteatro São Luiz e no Cinema do Dragão. No formato virtual, através do Canal Brasil, Canais Globo e Globoplay + Canais ao Vivo, TV Ceará e canal do Cine Ceará no YouTube.
Entrada: Gratuita

Mais informações no site: https://www.cineceara.com/

Diário do Nordeste – Escrito por Redação, 21:55 / 27 de Novembro de 2021.

‘O Menino Maluquinho’ terá série animada na Netflix

A obra infantil O Menino Maluquinho terá sua primeira série animada desenvolvida para a Netflix em 2022(foto: Divulgação)
“O Menino Maluquinho” terá sua primeira série animada desenvolvida para a Netflix em 2022.Foto-Divulgação

Criada pelo cartunista Ziraldo, a obra infantil “O Menino Maluquinho” terá sua primeira série animada desenvolvida para a Netflix em 2022. O anúncio ocorreu durante o Mais Brasil Na Tela, evento da empresa para divulgar as atrações brasileiras que farão parte do catálogo da plataforma no próximo ano.

Segundo Daniela Vieira, gerente de conteúdo para crianças e família da Netflix, a ideia é “construir um novo ‘Menino Maluquinho’”, de forma a adaptar as histórias do personagem para os dias de hoje e promover sua “conexão” com as gerações atuais de crianças. Daniela, que já esteve à frente das produções originais do Cartoon Network no Brasil, afirma que a produção também preza pela “diversidade por trás das telas e na frente delas” 

Assim, a animação reuniu artistas negros para também desenharem personagens negros da série. A Netflix postou em suas redes sociais uma prévia da obra. Na internet, os fãs reagiram positivamente à notícia e deixaram depoimentos que mostram a ansiedade pela estreia da produção.

A história de “O Menino Maluquinho” é derivada primeiramente de um livro infantil homônimo de 1980. A obra teve bastante sucesso e se desdobrou em narrativas em quadrinhos do personagem, além de ganhar versões para o cinema em live-action, peças de teatro e até ópera. Em “O Menino Maluquinho”, são apresentadas histórias e invenções de uma criança alegre e imaginativa, que adora passar por aventuras com seus amigos e é conhecida por usar uma panela na cabeça.

A adaptação não tem previsão de estreia no streaming. Além de “O Menino Maluquinho”, a Netflix terá em seu catálogo para 2022 a animação “Acorda, Carlo”. A obra apresenta a história de um menino de 7 anos que dorme por 22 anos e acorda sem entender como seus melhores amigos se tornaram adultos sérios. Com “espírito livre”, ele tentará resgatar o espírito de criança em seus amigos.

O POVO Online Vida & Arte – 13:00 | Nov. 24, 2021 Autor Miguel Araujo Tipo Notícia

Filme “Soldados da Borracha” ganha troféu da CNBB

Imagem: Dom José Aparecido Tosi Marques, arcebispo de Fortaleza, entregou o prêmio ao cineasta Wolney Oliveira (Foto: Divulgação)
Dom José Aparecido Tosi, arcebispo de Fortaleza, entregou o prêmio ao cineasta Wolney Oliveira.Foto:Divulgação

O filme Soldados da Borracha, do cineasta Wolney Oliveira, diretor da Casa Amarela Eusélio Oliveira da Universidade Federal do Ceará, foi agraciado com o troféu Margarida de Prata. A entrega ocorreu na tarde desta quarta-feira (10/11), no Centro de Pastoral Maria Mãe da Igreja, pelo arcebispo de Fortaleza Dom José Antônio Aparecido Tosi Marques, e contou com a presença do reitor da UFC, Prof. Cândido Albuquerque.

Soldados da Borracha foi contemplado na categoria Cinema, como parte da 53º edição dos Prêmios de Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A honraria celebra os profissionais da comunicação social nos diversos meios que apresentaram suas obras e se distinguiram pelo serviço à dignidade humana e aos valores do Evangelho.

O documentário retrata a saga de cerca de 60 mil brasileiros que foram enviados, durante o período da Segunda Guerra Mundial, à região amazônica pelos governos do Brasil e dos Estados Unidos para trabalhar na extração de látex, material que se tornou estratégico para a vitória dos Aliados no conflito. A promessa de voltarem para casa como heróis e com aposentadoria equivalente à dos militares nunca se cumpriu, e o filme narra a batalha desses soldados, até hoje, pelo reconhecimento.

Filmado nos estados do Ceará, Acre, Rondônia, Amazonas, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo, e também em Brasília, a obra traz comoventes entrevistas de “soldados” sobreviventes e de outros personagens envolvidos na saga.

SAIBA MAIS

A CNBB instituiu, em 1967, o primeiro Prêmio de Comunicação Margarida de Prata para o Cinema, a partir de criação original do artista plástico e joalheiro Márcio Mattar. O nome Margarida de Prata refere-se tanto à beleza da flor, que possui inúmeros significados simbólicos, como faz alusão ao troféu da Palma de Ouro de Cannes.

Fonte: Wolney Oliveira, diretor da Casa Amarela Eusélio Oliveira/UFC (Portal da UFC – 10 Novembro 2021 17:37)

Secult-CE lança plano de ações com volta de editais

Plano de ações milionário da Secretaria da Cultura do Ceará (Secult-CE), previsto para dezembro, inclui editais "Ceará de Incentivo às Artes", "Ceará de Cinema e Vídeo" e "Cultura Infância", cancelados nesse ano por imbróglio jurídico(foto: Guilherme Silva / divulgação)
Previsto para dezembro o Plano de ações da Secretaria da Cultura do Ceará.foto: Guilherme Silva/divulgação

A Secretaria da Cultura do Ceará (Secult-CE) lança, em dezembro, um plano de ações autorizado pelo Governo do Estado. Entre o conjunto de editais previstos para o próximo mês, estão os “Ceará de Incentivo às Artes”, “Ceará de Cinema e Vídeo” e “Cultura Infância” — cancelados após imbróglio jurídico com o Tribunal de Contas do Estado (TCE-CE).

O anúncio foi divulgado nesta terça-feira, 23, durante uma transmissão ao vivo nas mídias sociais do governador do Estado, Camilo Santana (PT). Por ligação, o secretário da cultura do Ceará, Fabiano Piúba, avisou: “As pessoas fiquem atentas. A Secretaria de Cultura vai estar lançando um bloco de editais que o Governo autorizou de incentivo às artes, cinema e vídeo, cultura e infância, bibliotecas comunitárias, museus comunitários, territórios periféricos, para projetos de periferias e coletivos… cultura viva”.

Segundo Fabiano Piúba, o Edital de Incentivo às Artes conta com o investimento de R$ 11 milhões. Já o Edital Ceará de Cinema e Vídeo, contempla um valor maior que R$ 9 milhões. O Edital Cultura Infância 2020 não teve seu valor revelado.

Em agosto deste ano, a pasta da cultura anunciou o Plano Ceará das Artes e da Cidadania Cultura, com a previsão de investimento de R$ 30 milhões em 10 editais até 2022.

Imbróglio jurídico

O XII Edital Ceará de Incentivo às Artes, o XIV Edital Ceará de Cinema e Vídeo e o Edital Cultura Infância 2020 foram cancelados após um imbróglio jurídico envolvendo uma resolução do TCE-CE. Juntos, os editais somavam mais de R$ 16 milhões em investimento. À época, o Vida&Arte ouviu artistas da Cidade sobre os impactos desse cancelamento

Após a resolução, a Secult-CE iniciou a readequação das bases jurídicas. Com o novo plano de ações, os editais cancelados ganharam um acréscimo de recursos.

O Online – Vida & Arte – 16:35 | Nov. 23, 2021 Autor Luiza Ester Tipo Notícia

Feriado nacional da Irmã Dulce é aprovado no Senado Federal; projeto vai à Câmara

fotografia em preto de branco de irmã dulce
Irmã Dulce foi canonizada como a Santa Dulce dos Pobres em 2019 Foto: DIVULGAÇÃO/OSID

A criação do feriado da Irmã Dulce em território nacional foi aprovado pela Comissão de Educação do Senado Federal e agora segue para a Câmara dos Deputados. A celebração da Santa Dulce dos Pobres é proposta para o dia 13 de março, dia da morte da religiosa, em 1992, aos 77 anos.

O projeto é de autoria do senador Ângelo Coronel (PSD-BA). Projeto foi aprovado na última quinta-feira (18). As informações são do g1.

Irmã Dulce é uma figura importante para os católicos e para os mais pobres. Em outubro de 2019, ela foi canonizada pelo Papa Francisco, tornando-se a Santa Dulce dos Pobres. Ela é conhecida como “anjo da Bahia” e considerada a primeira santa brasileira.

Vida devotada aos pobres

Ao “anjo da Bahia”, como era chamada pelos que a viam nas ruas de Salvador com seu hábito azul e branco, são atribuídos dois milagres: ter estancado a hemorragia de uma mulher após um parto e devolvido a visão de um homem que ficou cego durante 14 anos.

Sua canonização, 27 anos após sua morte, foi o terceiro processo mais rápido da história, atrás apenas do papa João Paulo II (2014) e da madre Teresa de Calcutá (2016).

Candidata ao Nobel da Paz

Dulce conheceu o papa João Paulo II, com quem teve duas reuniões em 1980 e em 1991, quando foi hospitalizada por problemas de saúde em função de uma doença pulmonar crônica.

Seu humanismo e trabalho de caridade levaram o então presidente do Brasil, José Sarney, a candidatá-la em 1988 ao Prêmio Nobel da Paz.

Ela foi beatificada por Bento XVI em 2011 após a verificação de um primeiro milagre, conforme estabelecido pelas normas do Vaticano.

Escrito por Diário do Nordeste e AFP, 20:16 / 22 de Novembro de 2021.

Professora cearense acerta tema da redação do Enem 2021

A imagem mostra a professora Núbia Rocha, da Escola de Ensino Médio (EEM) Nazaré Severiano, de óculos e cabelos amarrados num rabo de cavalo, sorrindo, dentro de uma moldura colorida com o nome Spaece embaixo.
Núbia Rocha, professora de redação na Escola Nazaré Severiano, em Santana do Acaraú.Foto: Divulgação/Seduc

No interior do Ceará, na cidade de Santana do Acaraú, uma professora da rede pública estadual antecipou em sala de aula o tema exato cobrado pela redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) este ano. Isso, duas semanas antes da primeira aplicação do exame. 

A professora em questão é Núbia Rocha, da Escola de Ensino Médio (EEM) Nazaré Severiano. Ela trabalhou o assunto da invisibilidade social associada à falta de documentos pessoais com estudantes do terceiro ano. E, quando soube que esse foi o tema cobrado na prova no último domingo (21), se emocionou.  

“Não só acertei, como avisei aos alunos que a minha intuição me dizia que esse seria o tema. Minha reação foi um misto de riso e choro”, disse Núbia, relatando que os alunos lembraram de agradecê-la logo após a prova. “Me falaram que a redação foi a prova mais fácil”, contou. 

Para a professora, que costuma dizer aos alunos que “somos seres de comunicação”, a leitura e a escrita devem ser valorizadas o tempo inteiro, não somente para se ter um bom desempenho em exames educacionais, mas, especialmente, para construir pensamento crítico e cidadão. “A leitura e a escrita são atividades básicas de todo o processo de ensino e aprendizagem”, ressaltou.  

‘Custei a acreditar que fosse real’ 

Uma das estudantes da EEM Nazaré Severiano que se beneficiaram com a preparação para a prova de redação com Núbia foi Lucivânia Santos.  

A menina, que chegou a tirar nota 1.000 no exercício feito em sala de aula, disse que tomou um susto quando leu a proposta de redação, que pedia aos candidatos que dissertassem exatamente sobre “Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil”. 

“Quando vi o tema da redação, fiquei tão nervosa e surpresa, que custei a acreditar que fosse real”, relata. Segundo ela, a escrita foi exercitada o ano inteiro em sala de aula, inclusive no período de aulas remotas. “O que nos ajudou a ter mais fluência na hora da avaliação”, acredita. 

‘Só conseguia pensar: Núbia acertou’ 

Millena Évila da Silva, como Lucivânia, também se surpreendeu ao abrir a redação. E, logo que terminou a prova, fez questão de mandar mensagem para a professora.

“Você não tem noção da felicidade que senti quando abri a prova e vi a proposta. Só conseguia pensar: ‘Núbia acertou’. Quando você passou esse tema, não vou mentir, odiei. Mas, graças a você, consegui fazer uma boa redação!”, escreveu a jovem. 

Diário do Nordeste – Escrito por Redação, 20:54 / 22 de Novembro de 2021.

Festival Concreto realiza sete meses de programação

Mural Pacha Mama, Festival Concreto.(foto: Ariel Gomes)
Mural Pacha Mama, Festival Concreto.(foto: Ariel Gomes)

O Festival Internacional de Arte Urbana – Festival Concreto chega a sua oitava edição com a ampliação de sua gama de atividades, visando maior alcance de seu público e o aumento de sua duração em Fortaleza, no Ceará. O evento que, anteriormente, era realizado durante 10 dias, agora acontecerá de 19 de novembro de 2021 a 28 de maio de 2022, estendendo-se por sete meses e contando com programações em diversos espaços públicos da capital do Estado.

Iniciando a série de atividades do festival, o mês de novembro traz ações em locais como a Biblioteca Pública Estadual do Ceará, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, Porto Iracema das Artes e Residencial José Euclides da Cunha. Para tanto, o evento conta com a participação de artistas convidados, sendo eles: Shiko (PB), Onesto (SP), Luna Bastos (PI), Doppeldenk (Alemanha), Rafael Limaverde (CE) e Luci Sacoleira (CE), que irão colorir os espaços e promover oficinas abertas ao público de forma gratuita.

Além disso, haverá a comemoração do aniversário de um ano da Midiateca Concreto, que consiste em uma instalação feita a partir de uma sucata de ônibus restaurada, equipada com gibis, livros e dvds, localizada no Residencial Euclides da Cunha, no bairro Jangurussu. No primeiro dia de percurso, as crianças que utilizam da Midiateca Concreto farão uma visita guiada à Biblioteca Pública Estadual do Ceará. Dando fim ao cronograma de novembro, será realizada uma festa no Restaurante Casa de Patuá, onde também ocorrerá a Feirinha Concreto #8 com a comercialização de produtos dos artistas que compõem este primeiro momento do Festival.

Em entrevista ao O POVO, o artista urbano e idealizador do evento, Narcélio Grud, conta que o festival tem como propósito ter uma “arte pública, gratuita e o mais acessível possível”. Contudo, a consolidação do projeto lida com adversidades como a escassez de recursos financeiros para o desenvolvimento das atividades, que acaba por se tornar um dos motivos pelos quais o festival prolonga a sua agenda para sete meses.

O idealizador do Festival Concreto também fala sobre a pertinência da valorização do setor artístico em meio ao cenário pandêmico que o país se encontra e, agora, durante a retomada da realização de eventos presenciais. “Nós tivemos a pandemia, que mostrou como é importante a arte e a cultura e ficou claro – para muitas pessoas – como foi isso que salvou esse momento de introspecção forçada que a humanidade teve que passar. Agora, nesse momento de obscurantismo, a arte vem como um foco de luz, servindo de escape para muita gente”, afirma. O Festival Concreto – Festival Internacional de Arte Urbana é realizado pela Amplitude – Escola de Arte Urbana, Flexos Artes e Instituto Ambiente Cultural e Inclusão Social (Iacis). 

Concreto – Festival Internacional de Arte Urbana (8a edição)

Quando: 19 de novembro a 28 de maio
Onde: Fortaleza/CE
Mais informações: www.festivalconcreto.com.br, @festivalconcreto (Instagram)

O POVO online – Vida & Arte – Autor Bruna Lira

Sertão Central vira set de três produções nacionais

Parte da equipe do filme
Parte da equipe do filme “Bem-vinda a Quixeramobim” no Distrito de Juatama.Foto:Reprodução/Instagram

Cinema significa comida na mesa para muitos brasileiros. Em 2018, segundo estudo da Agência Nacional do Cinema (Ancine), o audiovisual gerou R$ 26,7 bilhões à economia do País em 2018. Na análise do órgão federal, o dado coloca o setor acima de indústrias relevantes como a farmacêutica, têxtil e de equipamentos eletrônicos.  

Com isso, defender a sétima do Brasil é lutar por empregos diretos e indiretos. Três produções cinematográficas que estão sendo rodadas no Sertão Central cearense atestam que os benefícios econômicos e culturais caminham juntos.  

Halder Gomes (“O Shaolin do Sertão”) dirige mais um projeto de grande porte na região. Petrus Cariry (“O Barco”) filma o longa “Mais Pesado é o Céu”, que reúne elenco com Matheus Nachtergaele, Ana Luiza Rios, Sílvia Buarque, Galba Nogueira, Danny Barbosa e Buda Lira (PB).  Quem também está presente e produzindo é a equipe e elenco do curta-metragem “Deus Castiga”

A proximidade de Quixadá com a sétima arte é uma tradição que assinala mais de meio século. Em 1960, o município foi o cenário da obra “A Morte Comanda o Cangaço”. Moradora da cidade, Edna Letícia Uchôa atua como produtora há 20 anos.  

Por conta dos filmes que já foram rodados neste território, trabalhou em diferentes áreas. Desde a produção de locações, infraestrutura, figuração, arte e até equipe de figurino. Ela avalia os aspectos positivos da região enquanto polo do cinema.  

“Estas produções contribuem muito para geração de renda na cidade, hotéis, restaurantes, lojas, postos de combustíveis, supermercados, locações de espaços e serviços. Todos faturam”, observa. A realizadora está na equipe de “Mais Pesado é o Céu”.  

Indústria  

Em meio à correria das filmagens deste longa, conversamos com o cineasta Petrus Cariry. O drama respira ares de um “road movie” e também desbrava cenários entre Jaguaribara e o Açude Castanhão. Chegamos na metade do filme. É uma produção que já vem de três, quatro anos atrás. Fomos adiando por conta da pandemia”, descreve.  

Com o avanço das vacinas e atenção aos protocolos exigidos, “Mais Pesado é o Céu” saiu do papel. Petrus aponta que boa parte dos filmes que estão sendo feitos remetem a projetos que estavam aprovados quanto ao financiamento.   

As posturas de censura e sucateamento da Ancine por parte do Governo Federal mostram um cenário preocupante. Além disso, inúmeros projetos estão parados aguardando aprovação de recursos. “A grande questão é ano que vem, como vai ser isso”, alerta Petrus.   “Vai começar a rarear, vai ficar bem escasso. Tem que ter filme, tem que mover a indústria. Cinema é isso. Quando para a indústria, ela meio que colapsa. Profissionais saem da área para se manter”   

Em 2021, o cineasta lança dois longas. A ficção “A Praia do Fim do Mundo” e o documentário “Foi um Tempo de Poesia”. As obras integram a programação do próximo Cine Ceará – Festival de Cinema Ibero-Americano de Cinema. A 31ª edição acontece de 27 de novembro a 3 de dezembro. 

Petrus Cariry explica que está feliz com a produção e que Jaguaribara é generosa quanto ao clima e possibilidades visuais. “Estamos usando um grande descampado, com planos bem amplos. Está ficando bem bonito o resultado (…). É bem precioso estar filmando nesse momento do Brasil”. 

Streaming 

Em 2020, o diretor Halder Gomes filmou a comédia “Bem-vinda a Quixeramobim”. Sem tempo a perder, o produtor e roteirista encabeça outro novo projeto na localidade. 

“O Sertão Central é um lugar único de belezas e cenários de caatinga irresistíveis de levar às telas. Por ser da região, sempre carrego uma forte relação nostálgica desse universo, e, por isso, escrevo histórias para acontecer nesses lugares”. 

Halder explica que a proximidade de Fortaleza e a infraestrutura hoteleira facilitam a aprovação de trabalhos. Interessa estar atento ao impacto econômico que os filmes geram e a divulgação cultural Ceará. Cada trabalho resulta em centenas de trabalhos temporários e capilariza a distribuição de renda como poucas atividades econômicas alcançam, avalia. 

“Sem falar nos empregos específicos de conhecimento do grande público: atores e equipe. Temos trabalhos que seguem em outras etapas no lançamento: eventos, publicidade, etc. Todo esse impacto fomenta várias atividades economicamente, artisticamente e gera conteúdo para sempre e para o mundo com a nossa cultura e identidade”, completa Halder Gomes. 

Ainda conforme a produtora Edna Letícia Uchôa, o distrito de Juatama se destaca em Quixadá. Lá, foi gravado “O Cangaceiro Trapalhão” (1983) e desde então, o mercado de cinema segue modificando a realidade do lugar.   

“Quase toda a população dali já trabalhou prestando serviço de servente, cozinheiro, costureiro etc. ou como figurante. E incrível. Outros distritos da cidade também já foram cenário de filmes como Dom Mauricio, Riacho Verde e Daniel de Queiroz”, finaliza a entrevistada. 

Diário do Nordeste – VERSO – Escrito por Antonio Laudenir, laudenir.oliveira@svm.com.br 16:05 / 16 de Novembro de 2021. Atualizado às 11:35 / 18 de Novembro de 2021

Conheça os finalistas do Prêmio Geek de Literatura

A Amazon, o Omelete e a editora Pipoca & Nanquim anunciaram os finalistas do Prêmio Geek de Literatura(foto: Divulgação)
Amazon,Omelete e editora Pipoca & Nanquim anunciaram finalistas do Prêmio Geek de Literatura(foto: Divulgação)

Foram milhares de obras inscritas, mas apenas dez escritores chegaram à última fase: nesta quarta-feira, 17, a Amazon, o Omelete e a editora Pipoca & Nanquim anunciaram os finalistas do Prêmio Geek de Literatura. Entre os autores estão Emanoel Ferreira, Ana Luísa Abreu, Luckas Iohanathan e Guilherme de Sousa. Os vencedores serão escolhidos por voto popular e os internautas terão a oportunidade de escolher suas obras favoritas a partir de hoje no site do prêmio.

O anúncio dos vencedores será realizado em dezembro, durante a CCXP do Omelete. O Prêmio Geek é dividido nas categorias de Livros e Quadrinhos, sendo cinco obras finalistas para cada segmento. Além de R$ 10 mil, os principais autores de cada categoria poderão assinar contratos para publicação de versão impressa do livro e do quadrinho pela Pipoca & Nanquim.

Para a seleção dos finalistas, foram levados em consideração critérios como criatividade, originalidade, qualidade de escrita e viabilidade comercial. A comissão de avaliação foi formada por juízes qualificados e especialistas editoriais das três responsáveis pelo prêmio.

Entre as condições para participação no Prêmio Geek de Literatura estão a obrigatoriedade de obras escritas em português do Brasil. Além disso, não poderiam ter sido publicadas anteriormente por uma editora. Os títulos foram submetidos ao concurso por meio da ferramenta Kindle Direct Publishing (KDP) e ficaram exclusivamente na Loja Kindle durante o período do prêmio. Os livros e quadrinhos participantes do Prêmio Geek estarão disponíveis no site na Amazon, na Loja Kindle e no Kindle Unlimited.

Conheça os finalistas

Categoria Livros

  • “Cristo Radioativo”, de Ana Luísa Abreu
  • “Amazônia 22”, de Eduardo C. M.
  • “A Polícia Secreta para Crimes Mágicos”, de Emanoel Ferreira
  • “O Diabo de Terno”, de Lendário Jhow
  • “Varejeira: Entre Moscas e Carne Podre”, de Rodrigo Petrillo

Categoria Quadrinhos

  • “Pare!”, de Elias Martins
  • “Você Não Me Conhece”, de Guilherme de Sousa
  • “Dente de Leite”, de Igor Frederico e Patrick Martins
  • “Atlas e Dante”, de Laurício Tissot e Daniel Baz;
  • “Enterrei Todos No Meu Quintal”, de Luckas Iohanathan.

O POVO online – 16:01 | Nov. 17, 2021 Autor Miguel Araujo Tipo Notícia

novembro 2021
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  
Arquivos